SISTEMA CONFEA/CREA E MÚTUA REÚNE EM BRASÍLIA MAIS DE 650 LIDERANÇAS DA ÁREA TECNOLÓGICA

Realizado em momento considerado “ímpar” para o Sistema Confea/Crea e Mútua,  o 3º Encontro de Líderes Representantes reúne em Brasília – no Royal Tulip – mais de 650 lideranças vindas de todo o País. Ao se dirigir aos participantes da solenidade de abertura dos trabalhos, na manhã da segunda-feira (24/2), o presidente do Confea, engenheiro civil José Tadeu da Silva, falou sobre os rumos e as perspectivas do Sistema.

Promovido anualmente, o evento é considerado um dos compromissos mais importantes do Sistema e tem a proposta de promover reuniões dos fóruns consultivos – Colégio de Presidentes (CP), Colégio de Entidades Nacionais (Cden) e Coordenadorias de Câmaras Especializadas dos Creas –, com a eleição dos seus coordenadores nacionais.

Destacando que o Encontro de Líderes Representantes “é a ação institucional que norteia as ações ao longo do ano”, José Tadeu alertou que, “em 2014, ano bastante difícil – temos aí o Carnaval, seguido da Semana Santa, Copa do Mundo, Eleições no País e no próprio Sistema –, a formulação dos desafios tem de ser criteriosa. Mas temos de idealizar rumos e formular perspectivas”.

Confessando-se preocupado com a renovação de lideranças e com a relação do Sistema com os cerca de 42 mil estudantes que, todos os anos, obtêm seus registros profissionais nos Conselhos Regionais de Engenharia e Agronomia, o presidente do Confea afirmou que “é preciso refletir sobre qual a melhor proposta a ser formulada para que esses jovens conheçam e participem do Sistema”.

Como exemplo, falou das filhas gêmeas que, aos 21 anos, estão se formando em profissões reunidas pelo Sistema: “elas me perguntam o que o Sistema Confea/Crea tem a oferecer, e precisamos responder”.

Perspectivas - “Precisamos atrair os jovens para renovar o Sistema. Esse deve ser um dos temas a ser tratado durante estes três dias em que vamos nos debruçar sobre nossas responsabilidades. A engenharia é responsável pela memória, presente e futuro do país”, aconselhou defendendo uma formação mais humanista aos cursos de matérias exatas.

Para José Tadeu, 2014 começa com “excelentes perspectivas” em relação ao reconhecimento das atividades de engenheira e agronomia como carreiras típicas de estado, proposta pelo Projeto de Lei 13, de 2013, que tramita na Comissão de Constituição, Justiça e Cidadania, do Senado. Ele historiou os encontros mantidos com os senadores, Gleise Hoffmann (PT-PR) e Romero Jucá (PMDB-RR) para “ver esse desejo concretizado”. O presidente lembrou que a defesa do PL foi destacada na Agenda Parlamentar priorizada no encontro das lideranças classistas em Águas de Lindóia (SP).

Sobre a criação da Frente Parlamentar da Engenharia, Agronomia e Arquitetura – formada em agosto do ano passado e que reúne senadores e deputados federais – José Tadeu acredita que esse seja “o caminho para acelerar a apreciação dos mais de 100 Projetos de Lei de interesse da sociedade e da área tecnológica nacional”. Para o presidente do Confea, “a valorização das nossas profissões, visando ao desenvolvimento do País”, passa pelos tapetes azul e verde do Congresso Nacional.

Ajustes - José Tadeu apontou questões a serem harmonizadas para maior unidade de posicionamento dos profissionais do Sistema. Informou que está afastada a possibilidade de a Anotação de Responsabilidade Técnica (ART) ser suspensa, como buscam alguns setores do Ministério Público: “o Supremo Tribunal Federal teve o entendimento de transformar em lei as Medidas Provisórias publicadas até 2014”, observou. 

Ele também considerou que, “por meio de entendimentos, os projetos de acessibilidade poderão ser feitos por engenheiros e não somente por arquitetos como foi primeiramente definido”. “O ajuste é fácil”, tranqüilizou os participantes.

Ao citar alguns pontos e perspectivas para o futuro, José Tadeu falou do Termo de Cooperação assinado pelo Ministério do Meio Ambiente e o Confea para desenvolver e monitorar o Programa Brasil+20, tornando os Municípios Sustentáveis nas áreas urbana e rural. “Essa assinatura dá o tom do que pretendemos em termos de compromisso”.

Sobre o futuro, “o ponto de perspectiva mais importante é olhar para trás. Para 2010, principalmente, quando, no último dia de governo, o ex-presidente Lula assinou a lei que criou o Conselho de Arquitetura e Urbanismo (CAU). Assim como o então ex-presidente FHC, como último ato, permitiu que o técnico passasse a assinar o receituário agronômico”. “Esse tipo de coisa atrapalha o Sistema”, condenou.

Transição - O presidente do Confea valorizou o trabalho e destacou a responsabilidade dos Creas, que concedem as atribuições profissionais com base no que o recém-formado estudou nas cadeiras das faculdades. “Atribuições profissionais são prerrogativa dos Creas, como equacionar a Resolução 1010?”, indaga.

Para José Tadeu, a fase é de transição e está difícil. “As Resoluções 21 e 51 do CAU mostram que o conflito de atividades continua, temos sombreamentos e temos de baixar resoluções conjuntas”.

Mas, para o presidente do Confea, “é nos momentos de dificuldade que a gente cresce”. Vamos em frente! Temos aqui centenas de lideranças representando milhares de profissionais que estão alinhados em nossas áreas de atuação e campos de atividades. Não estamos dormindo em berço esplêndido. Estamos muito acordados”.

Ao finalizar a solenidade de abertura dos trabalhos do 3º Encontro de Líderes Representantes, José Tadeu disse que “nesse encontro será definida nossa unidade de ação mediante a integração. Faremos com que nosso exército de lideranças vença as dificuldades interpostas pelo caminho para podermos atender a sociedade”.

“Nossas palavras-chave são unidade, uniformização e mudança, frutos do nosso conhecimento. A sociedade cobra a razão da nossa existência. Temos de valorizar a informação e o conhecimento que são tudo nesta “Era do Conhecimento” em que vivemos. Com unidade, uniformização e mudança temos maior poder de competitividade. A concorrência é global e nós precisamos olhar o futuro com esse olhar e trabalhar em equipe para isso”.

José Tadeu da Silva ainda falou que, entre os desafios do Confea, está o compromisso de ser eficiente e eficaz. “Com segurança e precisão de objetividade, vamos mostrar a importância da engenharia e da agronomia”.

A participação de profissionais reunidos pelo Sistema Confea/Crea no debate e definição de políticas públicas também foi defendida pelo presidente do Confea. “E preciso agir e se fazer presente enquanto autarquia federal  para mostrar que somos imprescindíveis para a sociedade. Vamos nos antecipar às catástrofes e primar pela qualidade no que envolve a tecnologia”, incentivou.

Entrega de certificados – Na cerimônia de abertura, o presidente do Confea, José Tadeu da Silva, entregou Certificados de Função aos Coordenadores Nacionais de Câmaras Especializadas - titulares e adjuntos -, que encerraram seus mandatos, e também para os coordenadores dos colégios de Presidente e de Entidades Nacionais. Confira:

- Agrimensura: eng. agri. Juci Conceição Pita, e eng. agri. e de  Segurança do Trabalho, Paulo Fernando Squizzato;
- Agronomia: eng. agr. Juarez Morbini Lopes, e o eng. agr. João Alberto Rodrigues Aragão; 
- Engenharia Civil:  eng. civil  Luiz Capraro, e eng. civil Marcos Motta Ferreira;  
- Engenharia Elétrica: eng. eletric.  Luiz Werner, e eng. eletric. e de segurança do trabalho e técnico em eletrotécnica – José Amaro Barcelos Lima;
- Engenharia industrial: eng. MEC. Alberto Leite Belchior, e eng. mec. e de segurança do trabalho Sandra Aparecida Ascari;
- Engenharia Química: eng. química  Maria Helena Caño de Andrade, e eng. químico Paulo Gilberto Silva;
- Geologia e Minas: geólgo e eng. civil Fábio Augusto Gomes Reis, e o eng. de Minas Laelson Dourado Ribeiro.
- Engenharia de Segurança do Trabalho: eng. civil e de segurança do trabalho  Fernando Luiz Beckeman Pereira, e eng. Sanitária, Ambiental e de Segurança do Trabalho  Fernanda Maria Vanhoni;
- Engenharia Florestal: eng. ftal  Ézio Ney do Prado, e eng. ftal Carlos Roberto Santos da Silva;
- Ética: eng. civil e de Segurança do Trabalho Ingrid Cristie Macedo Cosme, e Rosicler Maria Vanti.

Os coordenadores do Colégio de Presidentes e do Colégio de Entidades Nacionais também receberam certificados. São eles, respectivamente: eng. civil Jary de Carvalho e Castro, presidente do Crea de Mato Grosso do Sul, e seu adjunto o presidente do Crea de Sergipe, eng. civil Jorge Roberto Silveira; o eng. de alimentos e presidente da Associação Brasileira de Engenheiro de Alimentos, Gumercindo Ferreira da Silva e eng. mecânico Jorge Ney Brito, presidente da Federação Nacional de Engenharia Mecânica.
 
ENCONTRO PRESTIGIADO
 
As prioridades das coordenadorias nacionais de câmaras especializadas dos Creas e da Coordenadoria Nacional das Comissões de Ética para o ano de 2014 foram definidas ao final do 3º Encontro de Líderes Representantes do Sistema Confea/Crea e Mútua, realizado em Brasília, nesta semana. Da melhoria da qualidade do ensino e da definição de uma agenda parlamentar da Agronomia a propostas de alterações de resoluções, encaminhadas por quase todas as coordenadorias, passando ainda pelo aprimoramento da fiscalização e por medidas de incremento às Anotações de Responsabilidade Técnica, cerca de 90 propostas foram definidas com ampla participação das lideranças profissionais do Sistema. Entre elas, constam os calendários de reuniões ordinárias para o ano (confira abaixo).
 
No final tarde da quarta-feira (26/2), a mesa de honra da solenidade de encerramento do Encontro foi presidida pelo presidente do Confea, José Tadeu da Silva. Ela contou ainda com o diretor-presidente da Mútua, Cláudio Calheiros, os coordenadores das dez Câmaras Especializadas, as conselheiras federais Darlene Leitão da Silva e Ana Constantina Sarmento, e Saulo Pereira, do Crea Jr/Jovem.  José Tadeu agradeceu a presença das 651 lideranças no ”maior encontro dos últimos anos”.  Para ele, “isso se deve à disposição de Creas, da Mútua e das Entidades Nacionais em traçar os melhores rumos para o Sistema Confea/Crea”, com público efetivo 30% superior à previsão inicial de 500 participantes.
 
Destacando a importância de acompanhar de perto as dezenas de Projetos de Lei de interesse da área tecnológica, o presidente do Confea anunciou a entrega às lideranças de um compilado de Projetos de Lei que tramitam no Congresso Nacional. Entre eles, o PL 13, de 2013, que caracteriza as atividades da engenharia e da agronomia como típicas de Estado. José Tadeu também informou a audiência, mantida na manhã de 26 de fevereiro, com o ministro do Trabalho e Emprego, Manoel Dias, para entregar o texto final relativo à representação do Plenário do Confea segundo o modelo federativo, aprovado durante o 8º Congresso Nacional de Profissionais.
 
NOVOS COORDENADORES SE MANIFESTAM
 
Durante a solenidade, coordenadores titulares e adjuntos das Câmaras Especializadas se manifestaram falando das principais questões de cada área de atuação profissional.
 
Pela Agrimensura, William Bittencourt, (Crea-AC), coordenador-adjunto, afirmou que “o manual de fiscalização continuará sendo trabalhado  como   uma das atividades principais visando uniformizar os procedimentos em todos os Creas”.
 
Coordenador-adjunto da Câmara de Engenharia Industrial, Ronaldo dos Santos (Crea-PI), informou o plano de trabalho do grupo e vai “procurar atender as expectativas, inclusive com a solução da participação dos técnicos no Sistema”.
 
Já o coordenador de Química, Carlos Anjos (CREA-SP), se mostrou preocupado com as questões que envolvem  Creas e os Conselhos Regionais de Química”.
 
Nelson Burille, (CREA-RS), coordenador da Câmara Especializada de  Segurança do Trabalho, agradeceu a condução ao cargo e, além da definição de um programa de trabalho e do  calendário reuniões, disse que os membros da coordenadoria pretendem intensificar a  fiscalização por meio das parcerias com órgãos como o Ministério Trabalho, Corpo de Bombeiros e  Defesa Civil, visando dar segurança ao cidadão comum”.
 
Gilberto Ferreti (CREA-SC), coordenador de Engenharia Florestal, agradeceu o presidente José Tadeu, “que não mediu esforços para criar a nossa Câmara” e anunciou que o grupo definiu 15 propostas a serem concretizadas ainda este ano. “Entre elas, intensificar a fiscalização”.
 
Por sua vez, Rosicler Vanti (CREA-SC), coordenadora das Comissões de Ética dos Creas, garantiu “o desenvolvimento de ações para fortalecer a conduta ética entre os profissionais e padronizar ações das comissões regionais,  priorizando  um trabalho em harmonia, com o apoio do Confea”.
 
Saulo Pereira, coordenador do CREA Jovem, reforçou o “fortalecimento das entidades de classe”. Para ele, uma das formas de aproximar os jovens do Sistema é estimular “que os acadêmicos participem das reuniões das entidades que são a base do Sistema”. Saulo também pediu apoio para agilizar o trâmite do Projeto de Lei 741, que regulamenta o Crea JR/Jovem.
 
FEITA A LIÇÃO DE CASA
 
Falando pela Comissão de Controle e Sustentabilidade do Sistema, a conselheira federal Ana Constantina Sarmento disse que o ano será de muito trabalho: “Teremos demandas para tratar e elas serão traduzidas em ações. Todas as propostas vindas das Câmaras serão observadas com olhar diferenciado para entender e atender solicitações das bases”.
 
Darlene Leitão e Silva, coordenadora da Comissão de Ética e Exercício Profissional, tratou da “satisfação de participar de um momento ímpar, quando se comemora os 80 anos Sistema Confea/Crea”. Para ela, no exercício de 2014 “a meta é buscar resultados, mesmo pequenos, já será positivo”.
 
Gumercindo Ferreira da Silva, coordenador do Colégio de Entidades Nacionais, agradeceu a recondução ao cargo e disse que, entre as linhas de ação para 2014, está “o planejamento estratégico, a revisão de Resoluções do Sistema, e o desenvolvimento de parcerias que levem os profissionais a participar da definição de políticas públicas para o país”. Gumercindo também chamou atenção para o debate sobre o Marco Regulatório da Mineração.

Cláudio Calheiros, diretor-presidente da Mútua, caixa de Assistência dos Profissionais dos Creas, também se dirigiu aos participantes da solenidade de encerramento do 3º Encontro de Líderes Representantes: “Mais uma vez o Sistema mostra seu poder de mobilização. A Mútua elegeu coordenadores das cinco regiões e discutiu a implantação do programa de qualidade ISO 9001”.

Telamon Firmino Neto, Crea-AM e coordenador do Colégio de Presidentes, falou da elaboração de 21 propostas a serem cumpridas este ano. Para ele, uma das mais significativas “é a moção de apoio ao Crea JR/Jovem pela legitimidade do fórum no Sistema Confea/Crea. No futuro eles ocuparão nossas mesas de honra, renovando as lideranças”, afirmou.
Flávio Correia de Sousa, presidente do Crea-DF e anfitrião do evento, disse que “2014 será um ano difícil, mas que a união facilitará boa parte da caminhada”. Flavio destacou o processo democrático que marca as discussões dentro do Sistema Confea/Crea. “Essa atitude visa ao interesse comum”, celebrou.

Ao encerrar a solenidade, José Tadeu da Silva agradeceu e disse contar com o apoio de todos, citando cada um dos componentes da mesa de honra. “Este presidente e o Confea contam muito com cada um de vocês, coordenadores, conselheiros e presidentes de Creas. Todos são importantes”. 

José Tadeu disse que, durante três dias, “foi feita a lição de casa”, demos o pontapé inicial. Conseguimos fazer o essencial, reunir e eleger as coordenadorias, definir a programação e o planejamento de cada coordenadoria”.

A ACEF E AEFSUL esteve representada pelos Engenheiros Florestais Reginaldo Rocha Filho (Bikudo) Diretor do CREA-SC e Dagoberto Stein de Quadros Coordenador Adjunto da CEEF do CREA-SC, na oportunidade Dagoberto que coordenou os trabalhos do Manual de Fiscalização da Engenharia Florestal do CREA-SC, deixou o mesmo a disposição para os demais CREAs do Brasil. O Manual de Fiscalização do CREA-SC é o único em operação no Brasil, o mesmo foi elaborado a partir da referência do Manual da SBEF - Sociedade Brasileira de Engenheiros Florestais.
voltar